quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

OS SONHOS NÃO DEVEM MORRER


O ser humano vive a base de sonhos.
O ser humano é movido a sonhos.
Os sonhos são a bateria que alimenta a alma e faz funcionar a máquina da nossa esperança.
Não há ninguém que seja capaz de viver sem sonhar.
Sonhar significa esperar sempre algo.
Acreditar que se vai conseguir conquistar a vitória almejada, chegar do outro lado da margem, transpor um obstáculo, ultrapssar os limites, galgar um degrau além na escalada da vida.
2009 foi para cada um de nós como uma estrada palmilhada.
Uns trafegaram por trechos pavimentados, asfaltados e caminharam a favor do vento.
Outros seguiram por perímetros esburacados, tomados pela lama e pelo mato.
Um verdadeiro trajeto de difícil acesso e de não menos fácil locomoção.
O ano de 2009, todavia, nasceu, como todos os demias anos, sob o signo da esperança para todos nós.
Porque todos somos seres indissoluvelmente ligados a esse sentimento de fé chamado esperança.
Todos nós preferimos acreditar na realização dos nossos projetos de vida.
Projetos que se caracterizam pela construção da casa própria, pela compra aquisição do carro novo, pelo pagamento daquela dívida, pela compra de um presente para o filho.
Projetos arquitetados, pensados e imaginados, às vezes, com carinho especial.
Eles nos levam à realização da nossa felicidade.
A felicidade é uma busca constante da sociedade e pela sociedade.
Foi simplesmente para ser feliz que o homem foi criado. Tanto isto é verdade que, ao criá-lo, Deus lhe deu como presente o Jardim do Édem, ou seja o Paraíso da Felicidade na Terra.
É fato que, de vez em quando, desperdiçamos as oportunidades que nos conduziriam a esse estado de espírito ao qual se atribui o nome de felicidade.
A bebida, os vícios, as inimizades, as amizades duvidosas, as brigas, o ciúme, a ignorância, a arrogância...
Tudo isso são barreiras que se põem no nosso caminho e dificultam a passagem.
São nuvens que dissipam a luz do Sol e tornam nublados os nossos dias.
Aí se perde a alegria e o brilho da vida desaparece.
Se 2009 não foi para você o ano que você esperava que fosse, não esmoreça.

Caminhe.
Ande.
Siga em frente.
Espere 2010 chegar.
Ele trará na frente a banda da esperança tocando a marcha da fé e do otimismo sob a luz ofuscante de um sol dourado para iluminar o seu espírito.
Deixe se contagiar pelos seus sonhos!
Não perca a fé nunca.
Acredite sempre!
Os sonhos não podem morrer, jamais.
Feliz e abençoado 2010 a todos!

Orlando.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

SANTA MARIA DO PARÁ: 48 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA

Cidadezinha ao lado nordeste paraense. Porta de entrada que leva à Belém, a magnifíca capital do Pará. Nesta segunda ela completou 48 anos de emancipação política. Em breve, o futuro a levará a emanicpar-se da pobreza que vive anexa á vida de seus bravos filhos. Eles anseiam por viverem sempre, como vivem: na certeza de que o progresso os descobrirá. Aí eles viverão a realidade e a experiência constituída no bem estar e na paz. Um direito de todos. De todos os santamarienses.
A esta encantadora e simpática cidade e a sua gentil e amável gente, esta homenagem.

O mundo ainda vive os incontáveis mistérios do Natal e respira os ares da esperança trazidos até nós há 2.000 anos pelo memorável acontecimento que mudou o rumo da História Humana.
Quatro dias após vivermos a simbologia do nascimento daquele que nos emacipou do pecado, comemoramos a nossa emacipação política, ocorrida há exatos 48 anos.
Santa Maria tem o privilégio de ser a Porta de Entrada para Belém, berço fecundo do amor que se irradia.
Belém, biblicamente denominada de a Casa do Pão. O pão da Vida. Da Vida que está em Deus – o seu Autor.
Não se chega a Belém sem antes passar por Santa Maria, Cidade Trevo, estrategicamente entrecortada por dois caminhos.
Santa Maria nos leva ao futuro e ao progresso, ela que é o começo desta tão vasta, bela e rica Amazônia.
Aqui vive um povo hospitaleiro que se harmonisa no trabalho diário que o dignifica e enobrece.
Santa Maria tem uma aura de paz que a circunda, inerente aos 23.000 filhos que a habitam.
É a esta sua gente a quem se confere todo os júbilos e parabéns.
Uma gente a qual, mais que pedir, tem muito a agradecer.
Pela paz e pela fraternidade que indelével e cotidianamente se fazem presentes.
Pelo liberdade e pela democracia que assegura direito a seus direitos.
Pela fé inominável nos credos e nas religiões que cada um livremente professa e a irmana.
Pelo crença na paz como dogma e motivação de vida.
Quando daqui a 48 horas o novo ano triunfalmente despontar no horizonte, que traga consigo a renovação das nossas frágeis esperanças para que o presente se transforme num futuro promissor sob a égide da felicidade.
Que as sementes hoje carinhosa esmeramente plantadas, venham a ser os frutos que alimentarão os nossos anseios contínuos, dando sentido às utopias e tornando em realidades duradouras os nossos sonhos de bem estar social e comum.
Saibamos render graças ao Deus da Vida pelo o agora vivido.
E trabalhemos para que, com a sua ajuda e com a sua graça, renasçamos todos os dias para construirmos juntos a Santa Maria cada vez mais de todos e para todos, sob os auspícios da paz. Sempre.
Paraéns, Santa Maria do Pará!
Parabéns, povo santamariense!
FELIZ ANO NOVO A TODOS!

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

OS FRACASSOS DO PIG E A DISTORÇÃO CRIMINOSA DOS FATOS

A pior das piores canalices que caracteriza um canalha é a mentira.
Esconder a verdade ou distorcê-la é tão grave e criminoso o quanto a mentira em si.
A Confecon, realizada simultaneamente com a Conferência do Clima, em Copenhague, serviu para que o Brasil pudesse desmacarar, de vez as mentiras ditas pela imprensa nacional.
E o seu desespero para boicotar a primeira e fazer todos acreditarem que a segunda foi um fracasso.
No dia 15 de dezembro, o Jornal Nacional dava com indisfaçada satisfação uma lista das entidades que não participaram e ESVAZIARAM a Conferência de Brasília.
Pela voz empostada do Wilian Boner, tinha-se a impressão de que o Presidente Lula discursou na abertura daquele evento para um público que não ia além de seus ministros e alguns blogueiros de quinta.
Mesmo Lula tendo dito que 'imprensa livre é fundamental para a democracia'.
E depois voou ao encontro de outro fracasso na Dinamarca.
Conta-se nos desdos as matérias que o PIG produziu sobre a 1ª Conferência da Comunicação.
E entre as produzidas, é necessário usar lupa para descobrir uma que dê um enfoque positivo, verdadeiro e real dos fatos e das questões debatidas.
O PIG entregou – se é que já não tinha entregue – a alma ao diabo para demonstrar que a Confecon só queria mesmo era controlar e sensurar a liberdade de imprensa.
E muitos cérebros deformados pela sucessiva desinformação do PIG concordaram com ele.
São os eleitores do Zé Alagão, aquele que, se chegar em outubro como candidato, não terá dedos nas mãos – tucano é desprovido desses membros – para contar os votos da sua concorrente e vencedora da eleição para presidente.
O presidente Lula, o “lince” para os espanhóis, e um analfabeto que fala palavrão para o PIG brasileiro, foi a grande estrela em Copenhague, segundo excelente matéria do Conversa Afiada.
Assim como o Brasil deve as Olimpíadas a ele, o mundo se curva à liderança e inteligência desse “cara” pelo resultado obtido na COP-15.
Eu disse “o mundo”. Obama, Wen Jiabao, Manmohan Singh, Jacob Zuna, inclusive.
Mas vocês viram o que o criminoso do PIG fez?
O PIG sustentou a versão do fracasso geral. Do fracasso total.
E ainda ousou, como sempre, em desqualificar e ridicularizar o Brasil, nas pessoas de seu Presidente e da ministra Dilma Rousseff.
Ao mesmo tempo dava notoriedade a quem não se fazia notar: o Zé Alagão. Ele se escondia em Copenhague enquanto São Paulo era alagado pela incompetência do seu (des)governo.
Nem uma das duas conferências foi o fracasso que o PIG decantou.
Aliás, fracasso mesmo é o que o PIG vem tendo a cada vez que tenta transformar mentiras em verdades e é pego com as calças na mão.
Porque hoje nos temos a blogosfera.
A maior e mais eficaz ferramenta para desmoralizar o PIG.
Ela é o terror do PIG.










sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

SE O NATAL NÃO FOSSE UM DIA

Não há quem, por alguma razão, não espere ancioso pelo Natal.
A indústria, o empresário, o comércio. O comerciário.
O paciente, o doente. O detento. O presidiário.
O trabalhador. O assalariado.
Quem vende, quem compra. Quem faz compras.
Quem dá e quem recebe. E quem espera receber.
A família.
O filho, a filha... de todas as idades.
Uns alimentam o sonho do aumenta das vendas e do lucro.
Outros aguardam incontidos a visita, a alta, a liberdade, o cartão, o embrulho colorido, o presente, a "felicidade".
Dia 24 caminhei pelas ruas da minha cidade.
E por onde andei percebi que não havia Natal.
Árvores com luzes que não piscavam porque nunca foram acesas... porque não existiam nem árvores nem luzes para acender.
Na autoestrada vi a Mitsubishi ainda sem placas, vindo da loja direto para fazer a alegria do felizardo que o recebeu como o presente prometido.
Na periferia, o contraste da riqueza e opulência.
Pessoas humildes e suas casas humildes. A roupa simples e a bicicleta simples.
E nada que demonstrasse ali o espírito materialista do Natal.
Foi quando imaginei que a simbologia do Natal pode estar além da atitude de dar e receber presente.
O bêbado que nos pediu “dois contos, prá interar uma cerveja”, me fez sentir que o Natal não faz sentido.
A criança descalça e olhar perdido de quem só não perdeu a esperança porque não se perde o que nunca se teve, deixou-me um pouco mais triste.
Eu, que já não tinha tantos motivos para me alegrar...
Foi quando deparei-me com histórias que se configuram simples, mas comeventes exemplos de vida e nos fazem repensar o verdadeiro sentido do Natal.
E descubri-me um ser inútil. Aquele tipo que se emociona com uma notícia, uma imagem e... é só.
Que não é chegado a dar nada e egoisticamente se isola no casulo de sua tristeza e nem ao menos a reparte...
Enquanto isso, alguém o espera no leito de um hospital.
Bastaria um sorriso, uma história, um gesto de carinho. Uma visita.
Que poderia ser feita também à delegacia. Ou à Casa de Idosos.
Quantas crianças órfãs da alegria, da esperança e acolhidas pela tragédia: do alcoolismo dos pais ou de sua separação, da doença, da falta de escola... da falta de sorte e atenção da sociedade, do governo. Da minha atenção.
Porque eu não fiz e – NÃO FAÇO – a minha parte...
Ainda bem que existem aos milhares as redes de solidariedade espalhadas por aí que fazem.
Elas são compostas de pessoas para as quais todo dia é Natal.
Pessoas que semeiam amor, dão carinho, distribuem sorrisos, emanam solidariedade, espalham felicidade.
Todos os dias, repito.
Para pessoas assim, o Natal não é somente uma data, é a sequência de uma vida aonde falta luz, bolas coloridas, presentes, amor, saúde, liberdade, dignidade – VIDA.
Todavia, algo deixa escapar que uma aura de luz e de paz abarca o mundo, que a solidariedade de alguma forma e em diversos formatos se manifesta através das atitudes humanas quando chega o Natal.
Mas somente quando é Natal.
Ah! se o Natal não fosse um dia e se um dia a gente descobrisse isso.


Que vocês que me acompanharam, vocês que gostam muito ou pouco, ou até que não gostam de mim e do que escrevo.
Que vocês tenham um Natal de Paz e em paz na companhia de quem vocês gostam.
Que 2010 traga com ele a possibilidade de realizar os sonhos que impediram a felicidade completa de vocês em 2009.
Saúde e Paz a todos.



Orlando


segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

DEZEMBRO QUENTE NA POLÍTICA DO PARÁ

Não é somente o Sol que incide no Equador nem tampouco o fenômeno El Niño quem aquecem o Pará em dezembro.
A política também pega fogo, decisões inesperadas são tomadas e a saída de políticos ilustres dos bastidores, anunciadas.
Tudo às vésperas da chegada do Bom Velinho.
Papai Noel não encontrará outro velinho nas hostes tucanas paraenses.
O ex-governador Almir Gabriel anunciou sua desfiliação do PSDB.
Ele abandonou o partido em 14 de dezembro.
Almir foi um dos fundadores da sigla e seu primeiro governador tendo administrado o Estado de 1995 a 2002.
Simão Jatene o sucedeu em 2003 e em 2007 foi derrotado pela atual governadora, Ana Júlia Carepa.
O reinado tucano no Pará durou 12 anos.
E em 2010 eles planejam fazer novo ninho no Palácio do Governo.
Mas já começaram a tarefa divididos.
Almir Gabriel se sentiu preterido e discriminado em função da idade.
Ele tem 71 anos e queria ser o candidato apontado pelo partido.
Mas o PSDB preferiu lançar o nome de Jatene.
Aí, Almir não resistiu.
O PSDB também não resistirá.
Dezembro estava só começando. Ainda estava na fase dos aquecimentos quando uma bomba explodiu na capital Belém.
A justiça cassara o prefeito da cidade.
Juntamente com o seu vice.
Duciomar Costa e Anivaldo Vale foram acusados de abuso de poder e propaganda irregular quando de sua reeleição, em 2008.
Era 04 de dezembro.
Depois e, como sempre, a Justiça concedeu liminar mantendo prefeito e vice nos respectivos cargos até o julgamento do recurso da defeza.
A decisão sai somente em 2010.
Quem cassou Duciomar e Anivaldo foi o juiz Sérgio Andrade Lima.
E quem os mateve no cargo foi o juiz José Maria Trindade do Rosário.
O segundo colocado nas leições que elegeram o prefeito cassado e autor da ação que pede seu afastamento é José Priante, do PMDB.
Duciomar é filiado ao PTB e seu vice pertence ao Partido da República (PR).
Dezembro está sendo tão quente na política paraense o quanto deverá ser em 2010 quando Ana Júlia, que é do PT, tentará permanecer à frente do Estado.
Ela terá a imprescindível ajuda do Presidente Lula.
O tucanos esfriarão o “clima” trazendo de São Paulo para apoiá-los o Senhor das Águas, o Zé Alagão.
Isso, porém, se ele não seguir os passos de Almir Gabriel.

domingo, 20 de dezembro de 2009

INCÊNDIO NA ÁGUA É FOGO


Moro no coração da Amazônia.Belém é chamada a “Metrópole da Amazônia”.
Eu não moro em Belém.
Moro no “Portal de Belém”.
Numa cidade distante apenas 100 quilômetros da capital paraense.
No meu estado e em toda a Amazônia estamos no período das grandes estiagens.
Com poucos ou baixíssimos índices pluviométricos.
A chuva raramente cai nessa estação do ano, chamada verão, na região Norte do Brasil.
Aí explodem e se disseminam as queimadas.
Os incêndios se dão natural e criminosamente.
Os fazendeiros derrubam a floresta e a queimam para o plantio de pastagem.
Os pequenos agricultores fazem o mesmo, para o cultivo de culturas de subsistência.
Traduzindo: está a todo vapor a “cultura do extermínio” das florestas amazônicas.
E assim os incêndios são vistos por todos os lados, em todos os lugares.
A toda hora.
Na Ilha do Marajó, o maior arquipélago do Mundo, com o maior rebanho de búfalos do País a “seca” já dizimou mais de 300 mil cabeças de gado.
O chão rachou, a vegetação desapareceu... e a vida não resiste sem água.
E a pobreza, com sede, só faz crescer e aumentar quantitativamente o número dos empobrecidos sedentos por dignidade.

É a Amazônia, o maior reservatório de água do Planeta pegando fogo.

Mas isso tem todoa uma explicação.
A vegetação ressecada, por sí já consiste em um excelente “combustível” para a propagação dos incêndios.
Só que eu estou falando da Amazônia.
A região dos contrastes naturais, econômicos e sociais.
Ver a Amzônia submersa pelas águas numa determinada estação do ano e percebê-la depois imersa pelo fogo, noutra, é uma coisa.
Outra coisa para a qual não se tem explicação é ver São Paulo dividido por zonas, ser tomado pelas “enchentes”, umas e, sistematicamente consumidas pelas chamas, outras.
Com um fator intrigante e uma coincidência alarmante: são da mesma classe e se inserem na categoria de pobres e/ou nordestinos, os que perdem suas casas, dignidade e a vida nos “alagões” e nas “queimadas” na maior cidade brasileira.

sábado, 19 de dezembro de 2009

O PRESENTE DELA PARA ELE

Deu no R7, o Portal de notícia da Record:
Após aparecer com Lula na TV, Dilma sobe e diferença para Serra cai para 14 pontosBastou só um programa – nada além do que dez raquíticos minutinhos – para a Ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff enlouquecer e acabar a demotucanada.
Após aparecer no horário político do PT da última sexta feira ao lado do presidente Lula, Dilma sobe nas pesquisas do Datafolha (ou seja do PIG, imaginem se não fosse dele) e ultrapassou pela primeira veza marca dos 20 pontos percentuais.
Na verdade, Dilma teria hoje 23% dos votos, enquanto 37% dos entrevistados votaria no governador paulista, Zé Alagão.
O mais importante disso tudo é que a diferença entre os dois caiu para apenas 14 pontos.
Pelo visto, com mais um programa petista, e a julgar pelos índices demonstrados na pesquisa do Datafolha, a diferença existente entre Dilma e Serra cairá para algo em torno de oito pontos.
Façam as contas de quantos programas Dilma, o PT e Lula terão antes de 31 de junho de 2010.
Assim não será tarefa difiícil prever que a Ministra será eleita mesmo no primeiro turno da eleição com, no mínimo, 62%.
(Os Frias meteram o Zé Alagão numa fria e lhe deram um inesquecível “presente” antecipado de Natal. Um presente de grego).
Igualmente fácil é imaginar como está a cabeça de Zé Alagão nesse fim de semana e, por conseguinte, de ano.
As coisas só não ficam tremendamente perigosas para ele pelo fato de que, se sua cabeça esquentar além da conta, o que não lhe falta é lagoa propícia a um bom mergulho no Jardim Romano.
A Sabesp garante a qualidade da água que abastece São Paulo.
Até os acreanos sabem disso.
Aqui vai um alô especial para a bancada demotucna do senado.
Com uma recomendação para controlarem sua raiva para que não ocorra coisas desagradáveis antecipadamente.
Aquele programa do PT foi a pior coisa que aconteceu nas suas vidas.
E se configurou no marco inicial da queda definitiva que os levará ao ostracisdmo.
Dificilmente o Brasil voltará a ouvir o papa-tucunaré Arthur Virgílio.
Ninguém sentirá a falta do Demóstenes nem do Heráclito.
Thau, thau, Álvaro Dias!
Pedro Simon, adeus, tá?!
Ah! aquele programa... por que o Lula foi aparecer com a Dilma ao seu lado?
Por que a Dilma teve que concocordar com tudo o que Lula disse?
Francamnete, esse Lula é mesmo genial!
Só 14 pontos, isso é nada.
Nada não.
É só o começo do fim deles.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

ALAGÃO EM COPENHAGUE

Não se trata de nem uma enchente na “Capital do Clima”.
Mas do xeretão, o Zé Alagão paulista.

Ele foi pra lá, às custas do contribuinte paulista, para fazer campanha eleitoral, enquanto São Paulo amolece debaixo dágua.

Zé Alagão está aonde não foi chamado.

Não apita nada e nada decide.

Ele não fala pelo Brasil.

Não representa o Estado brasileiro. Quiçá o de SP.

Só dá pitacos e tenta desclassificar a ministra Dilma Rousseff que chefia a delegração brasileira na Conferência da ONU.

Todavia, o PIG lhe dá todo destaque.

Chega a ser deprimente a intenção da Globo, por exemplo, de querer dar-lhe uma importância que não lhe cabe, sobretudo naquele evento.

Seria mais conveniente que Zé Alagão estivesse em São Paulo cuidando para que não morram mais sete pessoas no alagado em que se tornou a cidade.

A cidade parou. O trânsito parou. As chuvas voltaram nesta quarta feira em São Paulo.

É o caos.

200 quilômetros de congestionamento.

As doenças infectocontagiosas estão chegando. A população ilhada pelas águas.

E o Zé Alagão, subalternamente falando m... pelos espaços recônditos de Copenhague, já que seu nome não consta da relação de autoridades de alto nível para debater as questões inerentes ao clima no Planeta.

Porque o que se debate retoricamente na COP-15 é como se chegar a redução da emissão de gases causadores do efeito estufa.

E disso o Zé Alagão não sabe nada.Mas para parecer competente e inteligente já anunciou que reduzirá a poluição em São Paulo até 2020.

Só que não sabe as medidas a serem tomadas.

Nem como tomá-las.

Se fosse para dizer como deixar uma cidade alagada com qualquer chuvinha que não dure nem duas horas, ele daria um show em Copenhague.

Porque de alagão ele entende.

Vejam o comentário de um navegante nesta terça fira no Estadão: “Qualquer chuva faz SP parar. Depois o Serra (...) fala que todas as enchentes são causadas pela grande quantidade de chuvas. Ainda tem animais que acreditam nisso”.

O PIG não acredita. Mas finge. E tenta fazer os desinformados e deformados acreditarem.

E blindam o Zé Alagão e o prefeito, Gilberto Kem Sabe Se um Dia Presta Para Ser Prefeito a ponto de não imputar-lhes as devidas responsabilidades pelo caos.

Esses dois senhores não entendem de quase nada.

Deveriam entender de balsas.

São Paulo não precisa mais de tantos carros nas ruas.

Vai findar precisando mesmo é de balsas como meio de transporte.

Aí o Zé Alagão juntamento com o Kem Sabe oficializarão o seu maior programa: “Minha Balsa, Minha Vida”, como sarcasticamente bem disse o Coversa Afiada.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

DEZ MINUTOS

Nunca antes na história deste país o programa de um partido repercutiu tanto no meio político e mexeu tão fortemente com a oposição quanto o do PT na última sexta feira.

Um programa que não durou mais que dez minutos.
O pai da CPI natimorta da Petrobrás, Álvaro Dias, explicitava raivosamente na tarde desta segunda feira a sua contrariedade em função do conteúdo do programa petista.
O paranaense deixou muito claro que a oposição não tem bala na agulha para se sobrepor aos argumentos governistas numa campanha eleitoral.
Nem controle emocional que a impeça de descambar para a baixaria e para truculência verbal, armas usuais dos medíocres e perdedores por antecipação.
Álvaro Dias bem que tentou, com a arrogância que lhe é peculiar, desclassificar os sete anos do governo Lula, contrapondo-o aos oito de FHC.
Um desastre que só os seus aparteadores ignoraram.
O inflado do Piauí, Heráclito Fortes, falou coisas tão asquerosas quanto a sua própria imagem.
Para fechar a comédia, Ávaro Dias concede aparte a outro pitoresco piauiense, o fantasmagórico e alegórico Mão-Santa.
Esse personagem dispensa qualquer comentário. Seu aparte terminou por ser maior do que o discurso do ético-mor do Paraná.
Um espetáculo e uma espalhafatosa encenação com requintes do mais puro e desenxabido humor.
Algo pra lá de patético... e caquético.
Porque o Mão-Santa não consegue se desvencilhar do cargo de governador do P-i-a-u-í (?!).
Chega a dar dó.
Para o Mão-Santa Fernando Henrique é o maior estadista de toda a história brasileira.
A baboseira dos piauienses exacerbou-se e ganhou todos os contornos de ridicularidade a ponto do Mão-Santa canonizar Ruth Cardoso.
Agora o Brasil tem, além de Frei Galvão, Santa Ruth Cardoso. Ninguém merece!
Tudo só por causa de um programa que durou apenas dez minutos.
Lula e Dilma terão muito mais para dizer e mostrar quando a “guerra” começar de fato, em 2010.É esperar para ver.
A Dilma vai subir... ah! isso ela vai.
E encontrará o Zé Alagão em despingolada e vertiginosa caída, trazendo consigo os álvaros dias e os piauienses, ao modo dos paraquedistas, fazendo figuras no ar entreleçados ao velho simon, ao agripino gripado maia, e o virgílio papudinho neto.
O programa do PT foi 10, sobretudo num quesito: só durou dez minutos e apavorou a oposição demotucana.
E o PIG.
A concluir pela cara bestial do casal Bonner no Jornal Nacional.
O desconforto deles era simplesmente revelador e impagável.

sábado, 12 de dezembro de 2009

PRÊMIO NOBEL DA PAZ, UMA INJUSTIÇA

A paz é um sentimento interior que, ao fazer morada no coração dos homens, indica haver ali um estado de espírito cujo alicerce é o amor e transcende em harmonia com a natureza exterior.
Não existe paz entre quem apoia e promove guerras, desavenças e conflitos.
A paz inexiste aonde predomina o ódio, a violência. A paz é ausência marcante no ambiente onde não se tolera nem se respeita os direitos e as diferenças individuais bem como a liberdade de opinião e acepção de credo ou religião.
Nesta quinta, 10 de dezembro, o presidente dos EUA, Barack Obama recebeu o Prêmio Nobel da Paz, na Suécia.
O Nobel da Paz é uma referência e homenagem ao inventor da dinamite, o químico sueco Alfred Nobel.
Ele criou a dinamite em 1863.
Depois de perceber que a dinamite se tornara uma arma letal usada nas guerras, Alfred Nobel, expressa o desejo de conceder um prêmio distinguido à “pessoa que tivesse feito a maior ou melhor ação pela fraternidade entre as nações, pela abolição e redução dos esforços de guerra e pela manutenção e promoção de tratados de paz” no mundo.
É uma forma de tentar reparar os estragos causados pela sua invenção.
Nem sempre o Prêmio Nobel da Paz agraciou quem o fez por merecer. Em outras palavras, ele tem sido entregue, muitas vezes, injustamente a quem não promove a paz, e sim, a guerra.
É o caso agora do Presidente americano, Barack Obama.
Obama até poderá um dia fazer jus a tal título, porque até agora ele nada fez por merecer tamanha honraria.
Os Estados Unidos invadiram o Iraque de Saddam Hussein sob a pseuda alegação que ele escondia uma indústria química nuclear, mas a causa real era mesmo o petróleo da região.
Os Estados Unidos massacraram o povo iraquiano.


Em dezembro de 2006, assassinaram Saddan por enforcamento e até hoje nada foi encontrado.
Como não encontraram o que procuravam porque era algo que não existia, os americanos resolveram julgar e condenar Saddam à morte por "violação dos direitos humanos". Com os apalusos do mundo e da imprensa facciosa e golpista.

A Globo e todo o PIG no Brasil transmitiram tudo ao vivo e em cores. Arg!
Os EUA mataram mais de 1 milhão de iraquianos, a maioria civis, entre estes, mulheres e crianças, deixaram milhares de órfãos e amputados pelas bombas americanas numa ação cega e criminosa, segundo um dos principais institutos britânicos, o Opinion Research Business (ORB).
De acordo com aquela entidade, das 2.500 pessoas ouvidas pela pesquisa, 20% perdeu um ente da família vítima dos bombardeios americanos.
Os EUA, gastaram mais de 4 trilhões de dólares com uma guerra desnecessária onde morreram – embora eles escondam e alterem para baixo o número – mais de 50 mil, entre civis e soldados americanos. Jovens que perderam a vida, uns e o juízo outros, quando escaparam da morte no Iraque.
Porque uma guerra deixa sequelas físicas, emocionais e deformações psíquicas e psicológicas que não se curam nunca mais.
Hoje os EUA, na sua insanidade e paranoia pela guerra mantém uma luta brutal e esquisofrênica contra o grupo terrorista da Al Qaeda, no Afeganistão.
É uma herança doentia deixada pelo ex-presidente americano George Bush. Uma causa que Obama abraçou com tanta naturalidade e disposição para cumpri-la como se fosse uma campanha de doação de cestas de alimentos para os velhinhos de um asilo, no Natal.
Para Obama, assim como para Bush, matar é uma necessidade.
Foi isso que ele disse ao receber o Nobel. Que às vezes a guerra é necessária para se chegar à Paz.
Faz sentido... Mesmo porque não pode haver guerra depois que os guerreiros forem mortos...
E os EUA são os que mais promovem guerras e, por consequência, quem mais matam pessoas, sobretudo inocentes, ao redor do mundo.
Os EUA, são os genocidas da hora encobertos pelo manto da hipocrisia e, em nome da sua segurança, se acham no direito de invadirem militarmente e massacrarem quem imaginam lhe ameaçar.
Obama mereceria tudo.
Menos esse Nobel.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

M... NÃO É PALAVRÃO. PALAVRÃO É MORTE. PALAVRÃO É ALAGÃO

Deu no G1:

O Presidente Lula disse nesta quinta feira, em São Luís, que quer tirar o povo da merda.

E o G1 – que é o desvairado representante da falsa mídia moralista – estampou a abjeta manchete: “Lula fala palavrão em cerimônia...”

O G1 faz parte do time daqueles que acreditam que o “panetone” dos demotucanos de Brasília é feito de massa e frutas cristalizadas.

E que o que inundou as ruas da capital paulista foi água a penas.

O jornal digital da Globo faz de conta que a cratera do metrô e a viga do roubanel com suas sucções e desabamentos causando mortes e pondo vidas em risco são obras do ocaso e fenômenos tão naturais o quanto é para a Globo blindar o governador paulista pelas mortes causados pelo seu alagão.

Palavrão é negligência.

Omissão também é palavrão.

Desviar recursos e superfaturar contratos em uma obra que já se prolonga por quinze anos é mais que palavrão e configura crime.

Crime equivalente à irresponsabilidade de quem permite que sete vidas sejam tragadas pelas águas de uma chuva que se precipita sobre a 5ª maior metrópole do Planeta.

Lula dizer que quer tirar o povo da merda é um palavrão na visão míope e distorcida do G1.

Tão míope que ainda não percebeu que Lula está conseguindo conquistar cada um de seus objetivos.

O G1 deixa transparecer que não sabe que o povo sabe disso porque grande parte dele não vive mais no mundo do qual o Presidente quer tirar a outra parte.

Só que quando o G1 despertar para a realidade, vai descobrir que o Brasil acabou de traçar uma curva acentuada da sua História e que Dilma Rousseff é que dará seguimento aos propósitos de seu sussessor.

O G1 é quem ficará onde hoje o povo ainda se encontra.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

A PARCIALIDADE DA MÍDIA E O MÉRITO DO ZÉ GENGIVA

Enquanto seis pessoas morriam vítimas do seu “alagão”, o governador paulista, Zé Gengiva, era condecorado em Brasília pelo ministro tucano da Defesa, Nelson Jobim.
Jobim é aquele que ajudou Lula a defenestrar da Polícia Federal dois dos seus maiores delegados por terem comandado a prisão do banqueiro e criminoso Daniel Dantas.
Um está hoje “exilado” na embaixada brasileira em Portugal. O outro, quase exluído dos quadros da PF. Tudo por serem honestos, dignos e profissionalmente competentes.
Certamente não haverá autoridade política em Brasília com autoridade moral capaz de explicar as razões que justifiquem a entrega de uma medalha condecorativa a um político com incotáveis deméritos tipo um Zé Serra.
Serra foi agraciado com a Medalha da Ordem do Mérito da Defesa!
Talvez porque não defendeu a população paulista do PCC.
Nem das crateras ou das vigas – e agora dos alagados - que se criam, despencam e se formam por obra das intermináveis obras do seu (des)governo.
Como se um tucano fosse coisa pouca, Jobim resolveu abusar e condecorou também o senador mineiro Eduardo Azeredo. Esse, com certeza, merece uma meldalha pelo mérito de ter sido agraciado com o título de réu e pai dos mensaleiros de Minas, pelo STF.
Especula-se a possibilidade de José Serra ter aproveitdado sua ida à capital para visitar o governador José Roberto Arruda (DEMos/DF), e participar do "gabinete de crise" da oposição sobre o mensalão do DEM.
Afinal de contas, Arruda seria o seu vice na eleição presidencial não fosse a extremada generosidade desse hipinótico empreendedor que eleva um patrimônio pessoal em 1000% no exíguo período de seis anos ao distribuir de forma descomunal centenas de milhares de panetone aos pobres.
Estima-se que tantos panetones fossem entregues por centenas e centenas de cavalos em suas charretes enfeitadas com ramos de arruda. Daí a existência de um haras nas proximidades da Capital.
Só que a população não viu nem recebeu sequer um pãozinho...
Porque eles estavam acondicionados em uma Caixa... de Pandora.
Mas ainda bem que a Polícia Federal viu.
E a Mídia? Aonde está a mídia? O que a mídia está vendo ou querendo ver?
O que ela está dizendo e fazendo já que ela se diz o quarto “poder?”
A Mídia está fazendo o que pode e tudo o que ela não pode para blindar o Zé Gengiva pelo alagão em São Paulo e o Zé Panetone em Brasília.
A Mídia “escondeu” o Zé Gengiva a ponto de quase ninguém imaginar que aquilo estava ocorrendo no maior Estado da Federação. Ao contrário de quando desabam os morros do Rio de Janeiro... que a Globo vai “atrás” do Sérgio Cabral para ele se explicar.
Sobrou para um pálido e desculposo Kassab falar um punhado de asneiras na TV. Ele mais agradeceu às autoridades – talvez por terem morrido somente seis mizeráveis soterrados – do que prometeu soluções.
Por outro lado, o Zé Gengiva... nem isso.
Enquanto São Paulo se afogava ele estava sendo condecorado por um Ministro do Presidentre Lula, em Brasília.
Já Zé Panetone, preparava a sua trupe de apaninguados, muitos identificados como servidores do governo, alguns em cargo de confiança e certamente recebendo propina para estarem ali, aparentemente como um grupo de manifestantes pró-arruda, segundo denominação da mídia escudeira e parcial.
Sim! A mídia é sumamente parcial e atua como escudo para proteger e blindar – e vem fazendo isso de forma servil e vergonhosa – os dois Zés: o de São Paulo do Alagão e o de Brasília do Panetone.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O IBOPE É UMA EXCRESCÊNCIA

Impossível é um termo muito forte para definir qualquer grau de dificuldade. Todavia, não há outra definição que exprima o meu sentimento de contrariedade e exacerbada repulsa ao me deparar com matéria no G1 dando conta da nova pesquisa CNI/IBOPE.
Tal pesquisa, de maneira afrontosa, mentirosa e com evidentes características de manipulação aponta o Zé Serrágio em disparado crescimento nas intenções de voto. E o pior: com baixo índice de rejeição sem nada que justifique tecnicmente a situação.
(Deve ter sido pela sua possível ligação com o Mensalão dos Demos de Brasília e porque o Azeredo virou réu e se transformou, de fato e de direito, no Pai dos mensaleiros do País ou porque a viga do Robanel só destruiu cinco veículos e a enchente – sua nova aliada para destruir o Estado – matou apenas cinco pessoas em SP.)
E ainda tem o cinismo de dizer que nesse quesito (rejeição) a Ministra Dilma Rousseff ocupa o primeiro lugar.
Se fosse verdade o que o IBOPE diz – já que a encomenda dessa pseuda pesquisa pela CNI não passa de um embuste e tem a mão da própria Globo e do Zé Pedágio – 41% dos entrevistados não votariam de jeito nenhum na Ministra-Chefe da Casa Civil.
É necessário um grau elevadíssimo de descaratez para afirmar que um sujeito como Serra sobe numa pesquisa nacional e que sua rejeição só faz cair.
Qualquer débio mental sabe que a verdade está na inversão dos dados. Logo, o IBOBE/Globo/CNI/Direitona mente e manipula os números e a população.
Esse verborrágico senhor que aparece em primeiro lugar nas pesquisas do IBOPE é o mesmo que acabou com a Educação e trucidou as Polícias em São Paulo, que enche os cofres da Abril comprando-lhe tudo sem licitação e há quinze anos constroi o Robanel, a maior obra em andamento no País em matéria de desvio de recursos públicos e que vai acabar com o próprio Estado a depender do rigor das chuvas que bastam cair com ímpeto um pouco maior para dá origem a uma enchente com aspecto e efeito de tragédia.
Se vivêssemos em um país sério onde Parlamento e Judiciário fossem comprometidos com os valores éticos e morais e se fizessem respeitar, algo já teria sido feito para enquandrar essa vil organização de pesquisa.
O que ela faz com os números não tem uma definição que a qualifique.
Pode-se imaginar o que esse daninho instituto não fará até a eleição presidencial e se chegará o dia em que dará a Ministra Dilma como primeira colocada nas intenções de voto.

Tenho o pressentimento de que isso jamais ocorrerá.
Dilma Rousseff será eleita presidente ainda em primeiro turno sem que o IBOPE e a Globo a reconheçam como tal.
Até a boca de urna deles apontarão a vitória de Zé Pedágio...
Issso se ao menos ele for candidato.
O IBOPE é igual ao PIG. Não merece ser levado a sério.
O IBOPE é uma excrescência.

domingo, 6 de dezembro de 2009

HOJE ME BATEU UMA SAUDADE

Já são três meses sem a tua presença.
Há noventa dias ficamos órfãos do teu sorriso.

Você se foi mas deixou esta saudade que insiste em doer aqui dentro da gente.

E hoje ela bateu forte, me apertou o peito e axacerbou a minha tristeza.

Mas eu não reclamo por isso.
Parece que a lacuna deixada com a tua ausência não se fecha nunca.

Que aquele dia nem ao menos existiu – já que o que deveria ser um sonho é uma realidade da qual não se pode fugir – mas ao mesmo tempo parece que ele ainda não acabou.

Que a luz da tua estrela continua a irradiar luz em nossas vidas.

E continua mesmo!!!

Porque para mim – e para todos que te conheceram e te amaram – tu continuas a viver.

Tu vives na nossa memória. E a nossa alma vivifica a tua de maneira permanente.

Porque “a memória acende a luz que a morte apaga”.

Por isso a tua luz permanecerá acesa para nos auxiliar a vermos no crepúsculo o Caminho da Verdade que nos leva à Vida em plenitude.

Não quero lhe causar incômodo nem que sofras se sofremos esta saudade.

Ela é um sentimento natural causado pela perda de quem se ama.

Se bem que eu acho que nós não te perdemos.

Nós a penas percebemos que partistes precoce e inesperadamente, sem aviso algum.

Mas sabemos onde estás.

Se caso puderes pedir algo àquele que te levou com Ele, pedes força e luz para aquela que te gerou no seu ventre.

Para que ela viva longamente a fim de que outras pessoas que dela tanto necessitam continuem também a viver.

Mas não peça para aliviar em nós a saudade de ti, pois ela é o combustível que alimenta a lembrança.

Por que queremos manter acesa entre nós a tua luz para que seja imorredora na nossa a tua memória, Leonardo Mota Araújo.
Esteja em paz

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

O SUPERSTAR

É nisso que dá ser o maior e melhor presidente de um país em todos os tempos.
Quem mandou tirar esse país do papel de coadjuvante e torná-lo protagonista da sua história construída agora sob a égide do progresso e do desenvolvimento econômico no contexto internacional?!
Ter a grandeza e a coragem para divergir do ponto de vista de outros países é tão legítimo quanto o direito à divergência e se constitui uma necessidade.
Ocorre que esse país está situado abaixo da Linha do Equador. Eis a questão.
Seu presidente não é uma maria-vai-com-as-outras.
Esse país não é vaquinha de presépio e não vai ao FMI. Ele leva ao FMI.
Não lhe é devedor, mas credor.
O presidente desse país que se acostumou a ser pedinte e acatar copiosa e covardemente o que lhe impunham os “guardiões da democracia no mundo” tipo Estados Unidos, França e Inglaterra, tem opinião própria e se faz respeitar. E opina soberanamente a respeito do que pensa.
Ele governa um país que logo será a 5ª economia do Mundo.
Os alemães sabem disso.
Por isso o respeitam e o tratam como um superstar.
Enquanto isso, setores da imprensa elitista, racista e golpista nacional o chamam de “avacalhado”.
Porque esse grande Presidente e estadista divergiu da posição de alemães, franceses e americanos sobre o Irã.
Porque esse notável herói e orgulho do seu povo (82% da nação o aprovam) não se presta a concordar com a demagogia desses países que se dizem avançados e que por isso acham que podem tudo.
Inclusive ter armas de destruição em massa.
Eles podem.
A China pode. Israel pode.
O Irã não pode.
Por quê?
É isso que esse Presidente quer saber.
E pergunta... e questiona olhando nos olhos de Angela Merkel. E daí! Qual o problema?

Isso é ser avacalhado?
Eu chamo isso de indenpendência e liberdade. De grandeza e valor.
O PIG... em especial a Folha, prefere avacalhar ainda mais não com o Presidente, mas com a sua linha editorial, se é que isto seja possível.
O Alexandre Garcia fazia cara de perplexo com a ousadia do Presidente.
O Wilian Wack anunciava como sendo o desabamento do firmamento o fato desse país divergir de outros países sob questões que vão desde o desarmamento nuclear, à democracia em Cuba e na Venezuela até as eleições de Honduras.
Os Estados Unidos reconhecem as eleições hondurenhas!!!
O maior presidente da história desse país o leva ao isolamento: só ele não reconhece a eleição de Honduras!!!
Quem disse que esse país é obrigado a concordar com o que pensam os americanos.
Ele era! Não é mais!
Ah! Ele deve ser julgado pelo Tribunal de Haya!!! Até parece!
Isso só a imprensa desse país pensa e diz.
A europeia, ou melhor, a internacional e, excepcionalmente a alemã, o tratam como um superstar. Um ídolo, uma estrela de Primeira Grandeza.
No seu país ele é como o PIG gostaria que fosse: um “Zé Ninguém”.
Tudo só por um detalhe: o nome desse país é Brasil e o seu presidente se chama Lula da Silva, um retirante.
Veja mais no Conversa Afiada.

PROGRAMA TUCANO: NEM TUDO QUE PARECE É

Acho que vocês assistiram ao programa dos tuganos na televisão nesta quinta feira.
Parecia uma sequência do JN com Serra e Aércio se revezando num esforço mútuo e ingênuo para enconbrirem as desavenças internas que os separa.
Para os desinformados que ligassem a tv naquele horário, havia a possibilidade de pensar que aquilo tinha alguma relação com a realidade.
Mas isso somente os desinformados pensariam.
Porque os desinformados ou não sabem quem é Zé Gengiva ou acham que tudo o que ele diz é verdade.
Por pura falta de informação.
O programão começou bem mais cedo na “Crônica do Planalto” da CBN (aquela que um blogueiro diz ser a rádio que troca notícia), mais precisamente ao meio dia.
A jornalista, Roseann Kennedy, que fala ao vivo de Brasília, sem o menor escrúpulo, passou uma espécie de roteiro geral com o scripit final da atuação de cada um dos três participantes (Sérgio Guerra, José Serra e Aércio Neves), além de interpretar ao seu modo e de acordo com os interesses sempre torpes da Globo e do PSDB as ideias tucanas nele ocultadas.
Todos sabem que tem tucano atolado até a ponta do bico na “Caixa de Pandora” em Brasília.
A Roseann se vangloriava pelo fato de o programa tucano aparentemente ter sido gravado antes da distribuição dos Panetones do Arruda.
Ninguém com o mínimo de informação é capaz de crer nisso.
O horário político destinado aos tucanos se eximia de maiores ataques e críticas ao Governo, se destacando por ser propositivo, segundo a CBN.
Os tucanos sorrateiramente fugiram da crise do mensalão dos demos porque estão envolvidos nele e com ele em proporções semelhantes a todo e qualquer membro ou aliado do Governo do DF.
O PSDB comanda “a penas” três secretarias do governo que mais distribui panetones aos pobres.
Então, a tucanada, para não correr maiores riscos, optou por fazer de conta que aquele programa fora gravado em um país onde só quem esconde dinheiro na cueca é gente ligada ao PT, e por conseguinte, ao Presidente Lula.
Serra, aquele para quem Deus foi excepcionalmente generoso ao lhe atribuir elevada grandeza... de olheiras e orelhas, gengiva e uma cara de pau enorme tão enorme que só encontra porporções no período de tempo de construção da sua maior e inacabável obra: o roubanel.
E olha que ele ainda ousa falar dessa obra como a maior do País. Mas se esqueceu de dizer que ela é maior em desvio de recursos e em superfaturamentos de preços e contratos.
No mais, a dupla falou de amenidades, dos genéricos, do Bolsa Escola, a construção de hospitais...
Pela 1010ª vez, Serra disse que ele criou tudo isso. Que se não fosse por ele e pelos tucanos o Brasil não existiria mais.
Que os tucanos redescobriram o Brasil.
Suponho que o Serra suponha que o povo supõe ser ele o inventor da pólvora e da roda.
A propósito: aonde os tucanos esconderam – e por quê – os seus mais ilustres quadros, figuras do naipe de Fernando Henrique Cardoso e Arthur Virgílio Cardoso?
Talvez os dois estivessem em Paris.
O primeiro, tratando da documentação de reonheccimento do filho que ele teve com a repórter da Globo, dezoito anos atrás.
O segundo, acompanhando a sogra em algum tratamento dentário...
Sem falar do Eduardo Azeredo, o neo-reu tucano do Brasil, desaparecido sob a densidade de sua plumagem.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

AS IMAGENS FALAM, SIM

Ainda acho que o Presidente Lula poderia ter ficado calado e não emitir opinião a respeito do mensalão dos demos de Brasília.


Infeliz ao se pronunciar, findou por fazer, em parte, a felicidade do PIG que, propositadamente, não contextualizou sua frase dentro da entrevista.
O PIG vem amargando a obrigação de ter que dar ênfase ao que se protagoniza decisivamente como a derrocada final da direita no âmbito da eleição presidencial.

Lula – não se sabe ao certo por quê – diz que as imagens não falam por si.
Senhor Presidente! Uma imagem vale por mil palavras! Isso o meu tetravô já ouvia seu bisavô dizer. E as imagens dos mensaleiros do Arruda escondendo dinheiro na cueca e dentro das meias falam por elas tanto quanto as dos aloprados petistas.

O que Lula talvez tenha tentado dizer é que somente as imagens não sejam suficentes para fazer um juízo final de valor e que ele, como Presidente da República, não tem o direito de ficar dando opinião a respeito de um caso do qual a PF e a justiça estão cuidando. Bem ao seu estilo.

E disse.

E, além de dizer, ao mesmo tempo emitiu seu juízo ao avaliar que aquelas imagens não falavam por si.

Agora o PIG fica usando a frase descontextualizada do Presidente com duas mesquinhas intenções: uma, seria ofuscar a imagem de Lula, já que ele goza de invejável prestígio internacional ensejando relacioná-lo à figuras corruptas e inescrupulosas.

Para o PIG, ao dizer que as imagens não falam por si, Lula disse que elas não revelam nada demais.
Outra intenão do PIG ao explorar a fala de Lula é a de tentar tirar o foco do episódio dando ao mesmo um caráter de desimportância, pois importante seria se nele estivesse envolvido algum membro do PT ou da base aliada do Governo Federal, assim... tipo uns “sarneys” ou “rennans” da vida.
Se Arruda for expulso do PFLDemo e perder o cargo de Governador em virtude da pressão popular, o PIG vai findar ajudando a por fogo na fogueira onde ele arderá para não deixar transparecer à opinião pública que estava do lado de quem sempre esteve de fato, tal qual o fez no que se refere à ditadura dos militares.

Não sem antes deixar de lembrar da bobagem dita por Lula sobre as imagens.
Lula foi bem mais duro com seus companheiros, a ponto de chamá-los de aloprados quando da descoberta das malas de dinheiro em um quarto de hotel.
E dizia que era preciso apurar tudo e que quem tivesse de pagar que pagasse pelos erros cometidos.
Só não disse que as imagens não falavam por elas.
Porque falavam.Como falam por si as imagens dos mensaleiros dos demos.
Que aliás, não são somente dos demos, mas dos tucanos e dos liderados de Roberto Freire - as vestais do PPS – também.
Por falar em Roberto Freire, reparem que o PIG está blindando o pernambucano inventor da ética.
O PIG não está mostrando o bisonho Arthur Virgílio Cardoso, nem os anacrônicos e bizarros Heráclito Fortes, Agripino Maia, além do Gabeira – que são os âncoras” do JN no Congresso para opinarem sobre tudo quando o assunto é o governo Lula – para não expô-los ao ridículo...

Quem sabe, agora eles falem após o Presidente Lula descobrir que as imagens não falam por si.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

PANETONE COM ARRUDA

Por conta da descoberta do mensalão dos demopefelistas praticado pelo Governador de Brasília, José Roberto Arruda, cujo recebimento de dinheiro em espécie feito pelo próprio foi justicado por seu advogado como sendo para comprar panetones para os pobres, fiquem sabendo.

O panetone surgiu a partir de uma história de amor. Era o século XV, na cidade de Milão, Itália, quando um jovem se apaixona pela linda filha de um padeiro chamado Toni.

Toni, um sujeito de modos rudes e simples não aceita o relacionamento.

O jovem, para conquistar o futuro sogro e casar-se com sua deusa, consegue trabalhar disfarçado de ajudante na sua padaria.

E, para impressioná-lo, um dia inventa um maravilhoso pão com frutas.

Um pão extremamente delicado e de sabor especial.

Seu formato arrendodado, lembrava a cúpula de uma igreja. O jovem presenteou com o pão o patrão que o adorou.

O sucesso do pão foi imediato.

E ele passou a ser conhecido como o pão da padaria do Toni, depois Pão do Toni e, com o tempo, simplesmente, Panetone.

O jovem conquistou o velho Toni pelo paladar e a mão da sua amada pela persistência.

Pois é. Faltando poucos dias para o Natal, as famílias começam a pensar na ceia natalina, na brincadeira do “amigo oculto”, na troca de presentes.

E um dos prazeres do Natal é a degustação de um bom panetone, de prefência o caseiro, ainda que não seja igual aquele da padaria do Toni.

Acontece que existem panetones de todos e para todos os gostos: com trufa, frutas cristalizadas, gotas de chocolate e, agora, o mais novo dos inventos: panetone com arruda.

A invenção é dele, o ex-senador José Roberto Arruda, que um dia, na companhia de um AnTONIo Carlos da Bahia que, se não era dado a fazer pães, sabia como poucos “fabricar” pizzas, de maneira que com ele tudo acabava em pizza.

Foi com o velho pizzaiolo baiano que o inventor da nova iguaria brasiliana violou o painel do senado para favorecer o governo de um “sábio” cuja sapiência, aliada a sua “competência”, fez o Brasil se ajoelhar aos pés do FMI.

O Panetone com Arruda é gigante e seu preço sai por volta de uns 75 a 100 mil reais, segundo reportagens.

Arruda é o atual governador de Brasília.Foi de lá, da Residência Oficial de Águas Claras, que ele fermentou a massa, cristalizou frutas e adiciou folhas de arruda ao panetone com cara de pizza do PFL.

A arrecadação e o repasse do dinheiro objeto da venda do bolo arrudense é o que já estão chamando de “mensalão dos demos”.

Não que seja recomendado a ninguém fazer Panetone com arruda, muito menos o Panetone do Arruda, mas vale relacionar aqui a receita usada pela vestal e ex-lider de FHC.

Ingredientes: Massa (de manobra dos aliados, entre estes, o PIG). Pega e amaça; 1 xícara de águas claras (e agora turvas) morna;1 xícara de farinha do mesmo saco de trigo; 4 tabletes de fermento biológico fresco para acabarem com a frescura de que só o govermo Lula é corrupto; 200g de manteiga para passar na testa do Arruda e na cara de pau dele já que se botar andiroba o pão fica amargo; 1 ½ xícara de açúcar para acalmar o Agripino Maia... 1 pitada (mas poderia ser uma piada) de e sem sal; 6 gemas – e não as claras - porque lá tudo é feito às escuras... 1kg de farinha de trigo, mas 10 pacotes de notas de 20, 50 e de 100; 1 xícara de água do Rio São Francisco morninha.

Recheio: notas de dinehro; estórias picadas e picantes e generosas doses de folha. Muitas, mas muitas folhas de ARRUDA.
Ao contrário do pão do Toni, ninguém vai querer o Panetone do Arruda.

sábado, 28 de novembro de 2009

FARRAPOS HUMANOS

Às vezes me causa espanto, indagações e divagações o que confere a um indivíduo a chamada Lei do Livre Arbítrio e suas consequências e implicâncias.
Livre Arbítrio é a crença ou doutrina filosófica que defende que a pessoa tem o poder de escolher suas ações.

O Lívre Arbítrio pode ter conotações distintas e implicações amplas e diversas como religiosas, marais, psicilógica e científicas.

Alguns defendem a ideia de que a realização de uma ação por um agente não é completamente condicionada por fatores antecedentes.

É como se não fosse verdadeiro afirmar-se que tal filho rouba porque o pai era ladrão, ideia que recebe reforço no conhecido adágio popular: “filho de peixe, peixinho é” ou por outro que vai na mesma direção:– “tal pai, tal filho”.

Outros imaginam que o a ação realizada por um agente originou-se na sua própria vontade.

Tal percepção é chamada algumas vezes de "experiência da liberdade".

Quer dizer, nós somos e fazemos o que bem queremos. E somos livres para isso.

Mas me reporto ao início desta crônica.

Diz a Bíblia que Deus criou o homem a sua imagem e semelhança e o criou para ser feliz. Tanto é que o botou para viver no Jardim do Éden, o Paraíso na Terra.

Ainda que tenha sido tentado, e por conseguinte cometido o ato de pecar, Deus não abandona o homem que d’Ele havia se afastado ao comer do fruto proibido.

E para redimi-lo dos pecados, envia o seu próprio Filho ao mundo. E Jesus carrega nas costas o pecado humano até a Cruz e nos purifica no seu Sangue.

É a maior prova de amor jamais dada no mundo por outra pessoa.

Porque então, tanto sofrimento, fome, pobreza, miséria, enchentes, secas, violência e abandono ao qual o homem é submitido e vitimado nas mais diferentes circunstâncias?

Ao ver por diversas ocasiões um andarilho com aspectos acentuados de descontrole mental que perambula à margem da estrada entre Santa Maria e Castanhal, fico a me perguntar sobre o seu passado, já que o imagino sem presente e igualmente sem futuro algum.

O que fez aquele resto de pessoa humana para merecer uma vida tão indigna e degradante?Aquele rosto desfigurado de um homem que teve um passado qualquer, com uma barba suja e desgranhada me faz pensar na insignificância humana do ponto de vista material.

Ultrajado moralmente e despojado de trages decentes, ele representa todos os esfarrapados, os farrapos humanos a perambular pelas estradas mundanas.

Talvez seja a Lei do Livre Arbítrio que esteja determinando os seus dias e o faça carregar a sua cruz de dor e abandono.

Ou talvez seja o nosso egoísmo, a mesquinharia de uma sociedade que já se acostumou à indiferença - porque indiferente - que o determina a seguir triste e só na sua busca pelo nada aparente... e por ninguém.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

NÃO É NECESSÁRIO CONCORDAR SEMPRE


Na véspera da visita do chefe do Estado iraniano, Mahmoud Ahmadinejad ao Brasil, Barack Obama enviou uma carta ao Presidente Lula.

Ninguém viu nem leu tal carta.

Mas o jornal americano New York Times revela em reportagem que nela Obama discorda da posição brasileira em relação ao Irã, à Venezuela e Honduras entre outros temas.

Sabe-se que Lula respondeu pontualmente, através de outra carta, ao presidente norteamericano.

O Ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, disse que a carta de Lula é franca e amistosa.

Ninguém, igualmente, viu nem leu a carta do presidente brasileiro.

É sabido por todos que a grande imprensa não tem poupado esforços para demonstrar uma tensão que inexiste na relação Brasil-Estados Unidos.

No que diz respeito ao Irã, Obama se opõe psicoticamente ao seu programa nuclear. Mas não faz o mesmo, por exemplo, em relação à Israel.

Os EUA mataram Sadam Russen e destruíram um país por causa de suas suposições, jamais comprovadas,de que o Iraque tinha um arsenal nuclear atômico.

E a mídia não somente aplaudiu como transmitiu o assasinato de um presidente que antes – quando era economicamente conveniente – havia sido aliado dos americanos na guerra com o Kuwait.

Não espanta que essa mídia, em especial a Globo, relacione o Irã como sendo o pior dos males para a humanidade e a visita de seu presidente ao Brasil como um fenômeno que trará o fim do mundo e, antes disso, a desmoralização de Lula, que, segundo o Wilian Vaque, fez “afagos” num ditador e criminoso em potencial.

A Globo, com o despudor que lhe é habitual, se esforça para dizer que Obama repreende o Presidente Lula porque esse “apóia” o maior inimigo dos americanos.

"O Brasil tem essa obsessão de que se ele não concorda com os EUA vai cair um raio na nossa cabeça. Não é assim", disse Amorim a jornalistas.

Ele poderia muito bem ter trocado a expressão “o Brasil” por “a imprensa”.

O Brasil não é obrigado a concordar em nada nem ter medo de defender soberanamente sua posição dos Estados Unidos.

Nós não somos uma colônia americana.

Concordar ou não do que faz ou deixa de fazer um país é um direito de todo e qualquer outro país.

Inclusive os Estados Unidos.

Eles só precisam saber que o Brasil tem um governo, e que esse governo respeita, mas não se curva – porque não teme – aos caprichos de quem quer que seja.

Inclusivedos dos Estados Unidos.

Basta ver a posição brasileira sobre o golpe de estado hondurenho e a americana para ver que não andamos implorando concordâncias e assentimentos de ninguém às nossas atitudes.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

A OPOSIÇÃO ESTÁ MORTA COMO A COBRA CORAL DO CACIQUE

Já se perdeu a conta das vezes que foi dito que a oposição não tem discurso. Que a oposição não tem uma agenda de propostas para o País.
A oposição, há muito, perdeu o rumo.
E agora, ela perde por completo a razão e o que ainda lhe podia restar de juízo e moral.
A oposição, capitaneada pelos tucanos e demos, não tem nada para dizer e muito menos para fazer. E se desmoraliza.
Cada gesto e ação da oposição ou caem no vazio porque nada do que é feito por ela se sustenta e, por conseguinte, a faz cair no ridídiculo.

Não há um só brasileiro decente e de mente desinfectada do veneno atrofiador de cérebros expelido pelo PIG que leve a sério alguém da espécie vampiresca de um Mão Santa, ou cavernosas como Heráclito Forte, Agripino Maia e Arthur Virgílio – a nata cômica e debochada que tem espaço na mídia nacional, em especial no Jornal Nacional da Globo.
É essa a oposição que temos.
Uma oposição que quando governo nos brindou com um “BLECAUTE” que durou só dois anos. Nada assim tão significativo se você multiplicar 300 por 2 e descobrir que o resultado é 600 dias. Se for verdade que um dia tem 24 horas, também é correto dizer que o apagão dos demotucanos nos atormentou ao longo de exatas 14.400 horas e causou um prejuízo ao País superior a 340 milhões de reais.
Espanta agora quando ocorre um blecaute no fornecimento de energia que atingiu dezoito estados e que teve apenas quatro horas de duração, o estardalhaço que a oposição tem feito como se fosse o prenúncio do apocalípse.
A oposição, que não sabe o que diz nem o que faz ou o que fazer, não sabia o que fazia nem o que dizia.
E começou a fazer cobranças contra o Governo. E a propor convocações de tudo quanto fosse autoridade do Governo.
Até que chegasse aonde ela queria: na Ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.
O pífio argumento: ela já foi Ministra das Minas e Energia.
A mentira deslavada e insustentável: Dilma (que nem mesmo pode ser convocada, mas somente convidada e ainda assim, a só comparecer se bem o quiser) foi convidada a dar explicações aos ilustres e iluminados senadores porque é pré-candidata à presidência da República e a preferida do Presidente Lula para secedê-lo.
E mais: vem crescendo nas pesquisas ao passo que o candidato da oposição, um obscuro senhor de orelhas e gengivas deformadamente avantajadas, vem caindo juntamente com as obras que (ele) realiza ou que ainda realizaria.
Assim foi que a oposição, sob a clerevidência e inominável sapiência de Arthur Virgílio, apresentou requerimento junto à Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado Federal – CCT pedindo o comparecimento da Ong esotérica Cacique Cobra Coral.
(Não sorria que a coisa é séria! Isso consiste num pedido de um Senador da República filiado ao partido que se julga o berço da intelectualidade e vértice de toda sabedoria – o PSDB).
O pior é que o presidente da CCT ainda tentou manipular os membros da mesma dizendo que o requerimento fora aprovado. O requerimento nem sequer havia sido votado.
O presidente da CCT só podia ser um tucano, como Virgílio, o Sr. Flexa Ribeiro.
Ele só não poderia ser do meu Estado do Pará, mas é. Todavia, que fique muito claro: Flexa Ribeiro não me representa, ainda que eu contribua com o pagamento do seu volumoso e injusto salário.
Ele fala, representa e faz parte de uma oposição que perdida, convoca para explicar as causas de uma queda de energia elétrica, umbandistas e feiticeiros, quando há técnicos do setor que, após conclusão de análises que se encontram em andamento poderão fazê-las claramente.
Veja bem, você que me acompanha: num país aonde a oposição despreparada se desespera, e para constrager a situação, convida a Fundação Cobra Coral para explicar dados técnicos e científicos sobre uma falta de energia, essa oposição é quem estar constrangida e constrange o País.
Essa oposição está técnica e cientificamente morta. E nem Galileu explica tamanha e ridícula incompetência que a torna quase vulgar.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

SERRA CAI QUE NEM MANGA MADURA

Belém é uma das mais bonitas capitais brasileiras e a mais bela do Norte.
Belém é a capital das mangueiras, cujo fruto, a manga, quando madura, não se segura no pé – e cai.

E não há força que a segure.
As mangas que caem das frondosas mangueiras belemenses são um deleite para o paladar. Carnuda, de poupa doce e saudável, alimentam o corpo e o espírito poético dos paraenses.

É um espetáculo gostoso de se ver.
As mangas invadem Belém.
Nas feiras, nas quitandas, nas barracas de pequenas vendas e nos hipermercados da cidade.
As mangueiras com suas mangas estão por toda parte.
Na luxuosa Braz de Aguiar e na Presidente Vargas... descendo por Nazaré.

De maneira que as mangas generosamente vão caindo e se despedindo de suas mães-mangueiras para alimentar os seus irmãos paraenses, maranhenses, cearenses.
Porque Belém é a Casa do Pão que acolhe todos os brasileiros de todos os estados e rincões.
Belém é a cidade das mangueiras e das mangas que caem para a alegria de muitos.

Assim como o Serra e suas obras caem em São Paulo.
Só que as mangas caem para dar vida e alegria porque são alimentos.
Enquanto que as obras serristas ao caírem trazem dores e desalentos.
Serra não se satisfaz apenas com as quedas das suas obras: robanel, metrô, shopping center...
Ele se apraz também com as suas quedas nas pesquisas de opinião para o que ele jamais será na vida: Presidente da República.

A Dilma, penduraram um balaio de manga aparentemente muito pesado nela.

Ela não sobe. E sobe, mais muito pouquinho, devagarinho...

Mas o Serra. Esse é um verdadeiro artista. Na arte de cair em pesquisas.
Aí ele não cai simplesmente. Despenca. Desaba.

Que nem as mangas maduras...
Das mangueiras de Belém.
Da linda Belém do Pará.

sábado, 21 de novembro de 2009

A COLHER DE PAU DO STF

A gana do jornalismo pernóstico brasileiro pela extradição do ex-ativista italiano, Cesare Battisti, preso no Brasil e, por conseguinte, de criar um factóide que caracterize um deslize do Governo brasileiro é tanta, que imediatamente após uma decisão tomada – ainda que esta decisão não precisasse ter sido tomada porque decidida por quem não deveria decidir - logo arranjam outro pseudo argumento para contestar decisão futura – esta sim – a ser tomada por quem de direito – pelo Presidente Lula, sobre se Battisti será ou não extraditado.
Tudo, repito, para ferrar o Presidente da República que por acaso é um “analfabeto”, não tem filhos com nenhuma jornalista da Gobo, tem origem na pobreza e nasceu no interior de Pernambuco.

Agora os colunistas colonialistas, na expressão de um dos azes do jornalismo nacional e blogueiro de mão cheia, já estão dizendo que Lula pode ser processado por descumprir tratado de extradição entre os estados brasileiro e italiano.

Uma gosma que se compõe de uma lei que a fundamenta pela qual Lula estaria impedido de decidir pela permanência de Battisti no Brasil.

A retumbante revelação que tem o poder de iluminar a tenebrosa cratera da fosca desinformação na qual o PIG sucumbe a cada dia é de um E.S.P.E.C.I.A.L.L.I.S.T.A. (mais um) que assessora juridicamente o STF.

Deve ter sido esse estupendo assessor jurídico quem orinetou o Ministro Cesar Peluso para que dissesse não ter condições intelectuais para resumir decisão do Supremo que “descobriu” ser do Presidente da República a legítima e intransferível atribuição de decidir sobre o caso – a extradição de Cesare Battisti.

Peluso teria todas as condições intelectuais para resumir a decisão da “maioria” do STF se esta tivesse sido de acordo com a sua vontade e conveniências pessoais.

Peluso deveria reconhecer que lhe faltam também, e acima de tudo, condições morais para ser Ministro do STF à serviço da direita.

Se o STF tivesse rasgado a CF e decidido que o Supremo pode tudo, Peluso estaria todo prosa e sorridentemente abraçando seu “chefe” e colega de Corte, GM – que pode (e deve) ser traduzidio como Gilmar Dantas.

O STF e seus “doutos” ministros tem de reconhecer que nada na vida é ilimitado. Nem mesmo as atribuições de um ministro do Supremo. Tanto é verdade, que GM foi obrigado a sofrer os constrangimentos de uma derrota que o humilha profundamente diante do País.Ele, a oposição e o PIG inteiro. É só ver a cara do Bonner no JN...

Toda essa gente desejava ardente e desesperadamente a extradição de Battisti.

Porque ela consistiria numa derrota do Governo brasileiro que lhe concedeu refúgio político.

E porque essa gente sabe também que se Lula decidir pela não extradição, Battisti sairá da prisão e poderá viver no Brasil como um ciddadão comum.

Para o jornalismo de 5ª categoria praticado pelo PIG brasileiro, extraditar Battisti era uma espécie de “deportação” de um governo intruso liderado por um torneiro mecânico para os recônditos do Nordeste de onde nunca deveria ter saído.

Um governo cujo chefe é um nordestino “cafona” que, sob a perspectiva de uma escala projetacional, tem 60 das 100 possibilidades mínimas existentes de eleger o seu sucessor, no caso, a sua sucessora.

O STF deve aprender a lição.

Meteu a sua colher aonde não devia ter metido.

A colher de pau do STF ficou lambusada e só serviu para lambusar, ainda mais, a imagem da Justiça brasileira.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

BATTISTI NAS MÃOS DE GILMAR. É O FIM

Saiu no R7:
O caso Battisti chega ao seu final.
Battisti foi cair logo nas mãos de Gilmar Mendes. E ele não perdeu tempo.
Como o placar pela extradição no STF estava empatada em 4 x 4, caberia a Gilmar o voto de desempate.
Mesmo não tendo concluído a leitura do seu voto, Gilmar Mendes já deixou claro que votará a favor da extradição.
GM ataca e contesta, por exemplo, o voto do Ministro Marco Aurélio, que em 12 de novembro votara pela não extradição.
Para GM Battisti é um criminoso comum e não um perseguido político.
Cesare Battisti foi beneficiado com a concessão de asilo político dado pelo Ministro da Justiça, Tarso Genro, em janeiro deste ano.
Ato este que irritou os italianos – governo e políticos. Daí, o argumento de que Battisti é um perseguido político.
O governo da Itália recorreu ao Supremo para obeter a extradição e assim Battisti cumpriria na Itália a pena de prisão perpétua.
A decisão de extraditar Battisti já era esperada.
O STF de Gilmar Mendes não tem como característica nem a isenção nem a imparcialidade que lhe converia ter quando sua pauta de votação se relaciona com interesse do Governo.
E o Governo do Presidente Lula entendeu que Battisti é um refugido político no Brasil, e assim lhe concedeu o direito que aqui permanecer de maneira que não poderia ser extraditado.
Vocês acham que GM iria dar esse gostinho ao Presidente Lula?
É claro que não. Gilmar Mendes é um revanchista que serve o gosto da bancada tucana – e da Globo – no Congresso.
A Globo, assim como o PSDB e o DEMO, é a favor da extradição.
Porque o Governo é contra...
O Presidente Lula ainda teria o direito de decidir, mesmo após a condenação pelo STF, se Basttiti seria ou não extraditado.
Lula já teria se manifestado que acataria a decisão do Supremo, fosse ela qual fosse.
Lula é mesmo um bom moço. Bom até demais.
Nesse caso, ele tem poderes de decidir sobre a extradição independentemente da decisão do STF.
Mas o Supremo já se prepara para decidir se cabe a ele, o próprio STF, ou ao Presidente da República a decisão final sobre se Battisti será ou não extraditado.
Gilmar Mendes, se puder, não dará esse gostinho a Lula.
E, por ora, como todo tucano... ele pode.