quinta-feira, 20 de maio de 2010

SE A IMPRENSA É PROSTITUTA A GLOBO O QUE SERÁ?

Padrão global de uma imprensa prostituta


Imperdível, sensacional e impactante.

A entrevista abaixo foi feita com o Padre Júlio Lancellotti, da Pastoral da Rua de São Paulo.

É a segunda parte de um total de três das entrevistas concedidas por Lancellotti ao Portal Vermelho como parte integrante da série especial “Povos da Rua — A ‘Faxina Social’ de Serra e Kassab”, a política de "limpeza social" posta em prática na capital paulista com a chegada dos tuca-demos ao poder - a posse de José Serra e Kassab como vice - a partir de 2005.

Ousado, arrojado, impetuoso, corajoso e coerente o coordenador da Pastoral da Rua fala dos ataques "violentos e virulentos" dos quais foi vítima patrocinados pelo subprefeito da Sé à época, Andrea Matarazzo, em conluio com a grande imprensa.

Lancellotti: "Burguesa é elogio. A nossa imprensa é prostituta"

Na segunda parte de sua entrevista ao Vermelho, o padre Júlio Lancellotti, da Pastoral da Rua, ataca corajosamente a atuação tendenciosa da grande mídia. “Hoje não tem nada mais indecente do que nossa imprensa. É elogio dizer que nossa imprensa é burguesa, não qualifica precisamente. A nossa imprensa é prostituta”, diz.

Confira a íntegra da entrevista de André Cintra e Renato Torelli

Vermelho: Durante os confrontos entre a Prefeitura e a Pastoral da Rua, de onde partiram os piores ataques contra você?

Júlio Lancellotti: O que foi mais violento e virulento foi o Andrea Matarazzo com a rede que ele montou e que passa pela imprensa

Vermelho: Foi uma campanha orquestrada?

JL: Sim, sim. Eles agiram pesadamente. O Andrea Matarazzo é muito ligado com muitos jornalistas, com a imprensa, como aquele José Nêumanne Pinto (colunista do O Estado de S. Paulo e da rádio Jovem Pan), o Diogo Mainardi (Veja), o Arnaldo Jabor (TV Globo). Depois você descobre que o Arnaldo Jabor fez um jantar na casa dele com a Mirian Leitão, o Sardenberg (Carlos Alberto Sardenberg, da Globo). Fizeram uma reunião com toda essa gente dele para eleger o Serra.

É engraçado que, hoje, a manchete do Estadão diz que o programa do PT vai ser questionado porque fez propaganda política. Mas eles queriam que o programa do PT fizesse o quê? Uma novena? Não se chama horário político? Queriam que exibissem o quê? Vão lá e dizem que (o programa) comparou o pobre do humilde, simpático, simplório e popular Fernando Henrique Cardoso com o ignorante do Lula. Porque o Fernando Henrique Cardoso é um príncipe, não é? É um dos sábios da Grécia, o Oráculo de Delfos.

Quando começaram essas práticas higienistas em São Paulo, eles foram procurar apoio científico para dizer se essa pessoa de rua tem poder de decisão ou se o Estado pode decidir sobre ela. Aí vieram os discursos científicos, de catedráticos, para dizer: “Cessou a liberdade de escolha dessa pessoa, que precisa ser recolhida compulsoriamente”. Eles fizeram grandes discussões na USP, outras com psiquiatra — tudo para justificar isso.

Vermelho: Até o meio acadêmico “tucanou” (risos)?

JL: É porque nada é neutro — a única que se acha neutra no Brasil é a imprensa. Eles deviam assumir de uma vez. Devia aparecer lá no logo do Estadão, na Folha de S.Paulo um “apoiamos o Serra”, como o pessoal faz no Twitter. Devia aparecer lá no Jornal Nacional “nós apoiamos o Serra” — e pronto. Fica claro quem é quem, quem apoia quem. Não precisa ficar no “somos neutros, demos tanto tempo de espaço para este, tanto tempo de espaço para aquele”.

Os leitores do jornal percebem. Minha mãe tem 87 anos e diz: “Eu sei quem escreve cartas para o Estadão. São sempre os mesmos. Tem uma turma de mulheres aqui que toda semana tem carta publicada, e sempre a gente sabe o que é a carta dela”. Sei o que passei na mão da imprensa — então eu sei muito bem que raça é essa.

Vermelho: Você acredita que, nesta década em especial, a mídia perdeu pudores de vez?

JL: Perdeu, mas diz que não perdeu. É aquela que perdeu a virgindade na maior suruba, mas depois fica apregoando e vive escrevendo poesia sobre sua própria virgindade. Hoje não tem nada mais indecente do que nossa imprensa. É elogio dizer que nossa imprensa é burguesa, não qualifica precisamente. A nossa imprensa é prostituta.

Vermelho: A mídia é o que existe de mais conservador na sociedade?
JL: O problema é que é um conservadorismo prostituído. Tem hora que, ouvindo a rádio CBN, eu preciso desligar, porque começa a me dar nervoso. Está muito escancarado, muito escrachado. Mas eles têm todo aquele discurso de neutralidade.

Sabe o que me irrita muito? Ver no Estadão: “O Estado de S. Paulo está sob censura há 288 dias”. O Estadão devia então pôr um outro placar dizendo que ele está censurando os outros — e há quanto tempo? Porque ele é zeloso de cuidar de quem lhe censura. E ele censura há quanto? Nesse sentido, eu acho que a imprensa é realmente uma indecência.

Aí os jornalistas dizem: “Ah, mas o sr. não pode dizer que é todo mundo assim”. Mas é quem comanda nos jornalões... É como diz o Fábio Konder Comparato: “Nos jornais, só leio agora a coluna necrológica para saber se algum amigo meu morreu” (risos).

Vermelho: O Luis Fernando Veríssimo diz que a única confiável no jornal é a data, mas vale a pena desconfiar...

JL: É, pode ter erro (risos). Mas às vezes a única verdade que um jornal fala é mesmo a data.

Vermelho: Você não acha que, no caso específico da TV Globo, essa postura mais ideologizada e tendenciosa atingiu até as novelas, os programas de auditório, a Ana Maria Braga?

JL: Mas a Ana Maria Braga só falta andar com a camiseta do Serra...

Vermelho: Ela já vestiu a do “Cansei” em 2007.

JL: É como diz o (teólogo) Leonardo Boff: “Todo ponto de vista é a vista a partir de um ponto”. As pessoas já deviam logo dizer a que vieram. A Hebe Camargo, por exemplo, já deixa bem claro. Agora até o médico dela teve de correr atrás, porque ela disse que estava curada, e ele disse que ela não ficou. É duro.

Um comentário:

  1. Olá amigo, sentindo a tua falta no meu blog... Abraços..

    ResponderExcluir

DEIXE O SEU COMENTÁRIO